16 de fev de 2018

Personagens Prontos - Irregulares do Rio Negro

Estes personagens estão presentes na aventura Fools Rush In (Todos Afobados) . 




Llael Dividido - Territórios de Llael - Território da Cruzada Norte #2

Leryn

Governante: Hierarca Severius

População: 310.000 humanos (principalmente ryn, suleses e umbreanos, com um grande número de idrianos)

Presença militar: Leryn é a sede da Cruzada Norte. Além dos 70.000 cruzados sob as ordens do Grande Exemplar Kreoss, o Vice Perscrutador Vindictus comanda uma guarnição adicional de 65.000 soldados da reserva para defender a cidade e policiar sua população. Um forte contingente de Agregados da Ordem do Punho juntou-se à cruzada para manter o olho na população de Leryn. A força policial da cidade, comandada por sacerdotes do Templo, patrulha as ruas de Leryn mas a Ordem do punho ainda são os mantenedores mais significativos da paz.

Descrição: Leryn está entre as cidades mais fortificadas e protegidas de Immoren ocidental, famosamente descrita pelo rei Artys di la Martyn I como “a cidade mais bem protegida e impenetrável”. Construída aos pés do Monte Borgio nas margens do Velha Mecha. Observada a partir do rio, esta cidade fortificada, é uma impressionante visão. Em tempos antigos era a capital do reino de Rynyr, e embora alguns dos seus primeiros edifícios tenham perecido, a cidade ainda é rica em história. A política de construção e renovação, levou ao desaparecimento de várias das antigas torres e fachadas, muitas vezes após estes pereceram pelas forças do tempo. Todos os bairros, inclusive os mais pobres são agraciados com impressionantes fortificações, levando muito dos visitantes a comentarem, que a cidade se parece com um magnífico castelo, que se ergue na encosta rochosa.

A cidade é mais conhecida pelo papel que desempenhou na Rebelião, quando foi uma das primeiras a expulsar os Orgoth e manter a sua liberdade. Bem situada geograficamente para resistir a um cerco, manteve meticulosamente suas defesas como uma questão de orgulho nacional. A maioria dos llaeleses e cygnarianos esperavam que a grande cidade pouco se abalaria contra a invasão de khadorana, e mais uma vez se tornaria um bastião de Resistência. No entanto, os khadoranos tinham calculado o alto custo de um cerco, e em vez disso resolveram fazer Dois Rios de um rápido exemplo. A mensagem era clara: a rendição ou a destruição total. Enquanto muitos estavam preparados para resistir, certos líderes da Ordem do Crisol Dourada, escolheram por abrir as portas para os invasores, levando Leryn a ser tomada sem derramamento de sangue.

A cidade foi brevemente dominada pelo Império Khadorano, sua riqueza e os segredos do Crisol Dourado pilhados pelos Lordes Cinzentos. Leryn poderia ter se tornado uma das maiores fortalezas de Khador, se não tivesse novamente aberto seus portões para invasores estrangeiros, desta vez para o Grande Perscrutador Severius do Protetorado de Menoth. Menitas entre os khadoranos sentiram-se compelidos pela santa presença do hierarca, a trair sua própria nação e lhe entregar a cidade. O Koldun Lorde dos Lordes Cinzentos permaneceu relutante a se converter, e assim foi executado publicamente na praça central da cidade, uma vez chamada de Praça do Rei. Os sacerdotes menitas chamam essa praça do Local do Julgamento, e continuam a realizar execuções aqui.

Leryn tem crescido muito desde a sua fundação, com zonas separadas por suas muralhas concêntricas. Uma antiga e preservada muralha, exatamente como era durante a Rebelião protege a pequena e central "Cidade Velha", onde os clérigos e perscrutadores da Cruzada Norte estabeleceram sua sede. Sendo o bairro mais estimado em Leryn aqui se encontra o centro do governo, ao lado da grande Fortaleza Cabeça-do-Trovão que serviu como a antiga sede da Ordem do Crisol Dourado. A fortaleza cresceu ao longo do tempo para se tornar um campus de edifícios conectados. Embora este complexo careça do esplendor do palácio do arquiduque, seu tamanho e organização, eram de extrema importância para a economia do reino.

A “Cidade Nova” compreende a faixa do meio e está rodeado por uma muralha concluída em 510 DR. Embora brevemente vibrante e próspera, a área foi duramente atingida por um terremoto em 530 DR; os ricos a abandonaram, logo caindo em desuso. Os menos afortunados de Leryn assumiram seu controle, tornando-a mais conhecida como “a escória”. Ao longo dos anos ela se converteu em uma favela, abrigando casas e um malcuidado cemitério.

Após o terremoto, comerciantes, artesãos e donos de tabernas mudaram-se para a região externa da cidade e a transformaram em um próspero terceiro anel, lar da classe média. Uma muralha ainda maior foi construída em torno deste bairro em 572 DR. Chamado a Ala Exterior, esta nova seção é a maior região da cidade e contém a maior parte de seus entretenimentos, tabernas, mercados, bairros artesanais e pousadas, bem como habitação para pessoas que podem se dar ao luxo de escapar da Escória. Dois túneis ligam a Ala Exterior diretamente à Cidade Velha, permitindo que o tráfego e o comércio ignorem a Escória. A entrada mais usada da cidade é o antigo portão, chamado de Portão dos Traidores, ligando a Escória à Cidade Velha. Os crânios enchem as paredes entre os pontículos internos e externos do portão - crânios que dizem ser dos Orgoth, que aqui governaram e dos colaboradores que os ajudaram. Os menitas deixam este horrível monumento intacto, talvez por respeito as mazelas que sofreram aqui, sob o chicote dos tiranos. Poucos agentes do Templo usam essa rota; tornando-se assim um bom lugar de encontro para os membros da Resistência.

Desde a sua chegada, a Cruzada Norte ergueu novos templos menitas em todas as regiões da cidade. Muitas tabernas fecharam, e as maiores residências dos ricos foram tomadas pelo clero. Agregados da Ordem do Punho andam nas ruas para manter a paz, embora a presença de milhares de Cavaleiros Exemplares e outros guerreiros menitas sejam geralmente um incentivo suficiente para manter a maioria dos cidadãos na linha.

A parte ocidental da Ala Exterior é o antigo Templo do Juiz, o centro de culto da população Menita original da cidade, que trabalhavam principalmente nas minas de cobre e pedreiras. Esta é uma impressionante pirâmide de degraus que teve sua superfície de bronze lavada e polida desde a chegada dos Sul-Menitas. No entanto, novos sacerdotes atendem aos fiéis aqui. É sussurrado que os perscrutadores levaram o velho e autoproclamado Visgodo Zayiv Ryledor, que liderava o Templo com sua própria interpretação da Verdadeira Lei, desde então ele não foi mais visto.

Esse templo, embora impressionante, não é mais a maior estrutura Menita da cidade. O Hierarca Severius evitou o palácio do arquiduque e optou por habitar a Fortaleza Cabeça-de-Trovão. A fortaleza original do Exército de Trovão, a fortaleza era o local de nascimento da arma de fogo e é o principal lugar de pesquisa e criação alquímica desde a Rebelião. Quando Severius reivindicou-a para sua sala de audiências e centro de comando da Cruzada Norte, ela teve seus níveis superiores transformados e seu exterior adornado com o Monofixo. Estes níveis superiores incluem dormitórios e escritórios para o clero que administra o governo da teocracia. As terras da antiga fortaleza são santificadas, e há obras em andamento para transformar a sua ala externa em um templo apropriado.

Os níveis mais baixos, com seus extensos laboratórios e oficinas, foram entregues aos Vassalos de Menoth e os Artífices Sul-Menitas para começar a produção de córtex e armamento alquímico e mekânico para a cruzada Norte. Os Lordes Cinzentos haviam invadido esses laboratórios depois de tomá-los da Ordem do Crisol Dourado, voltando essas instalações acabaram para o abastecimento do Exército Khadorano, dessa maneira, muitos dos aparelhos e suprimentos que os Vassalos precisavam para o seu trabalho, já estavam no lugar.

O povo de Leryn que ansiava pela liberdade de Khador, e agora estão ainda mais inseguros sobre seu futuro. A cidade já não é governada de acordo com as leis de Llael, mas pelas rigorosas interpretações sul-menitas da Lei Verdadeira. Os agentes da resistência ainda podem caminhar abertamente pela cidade, mas os perscrutadores consideram que não são mais que os peões úteis a Cruzada. Com exceção dos enviados negociando como Templo e dos Menitas convertidos que procuram se juntar à cruzada, os visitantes são desanimados. Sendo mantidos na Ala Exterior e na Escória.


O Hierarca Severius recebe poucas petições, a maioria sendo tratada por sacerdotes menores. O vice perscrutador Vindictus é o último guardião do precioso tempo do hierarca, de modo que qualquer um que deseja ver Severius deve passar por uma extensa burocracia de sacerdotes e finalmente convencer Vindictus de suas necessidades.

Llael Dividido - Territórios de Llael - Território da Cruzada Norte #1

Território da Cruzada do Norte

Tipo de Governo: Teocracia

Governante: Hierarca Severius

Capital: Leryn: o verdadeiro assento do hierarca é Imer, a capital do Protetorado de Menoth, mas Leryn serve como capital regional e sede da Cruzada do Norte.

Grupos Étnicos & População: 288.000 Ryn; 118.000 Suleses; 52,000 Umbreanos; 33,000 Idrianos; 13,000 Bogrins; 4.500 Povo-do-Meio; 2.000 Skirov; 1.100 Tordoranos; 1.000 Thurianos; 800 Khards; 500 Rhulêses; 200 Ogruns; 700 Trollóides; 200 Gobbers; 200 Iosanos; 200 Morridanos

Línguas: Llaelês (primária), Cygnarana / Sulês 

Religiões Predominantes: maioria morrowana, grande minoria Menita; Morrowanos aqui deve obedecer aos ditames dos sacerdotes sul-menitas e só pode adorar com o consentimento da teocracia.

Principais cidades: Leryn

Cidades significativas (não mapeadas): Alwyr, Bexlyfe, Gylbert, Lysgarth, Strathweald, Vanhurst


O menor dos três territórios de Llael, a região apreendida pela cruzada do Norte é, no entanto, estrategicamente vital e inclui todos os recursos e atributos necessários para torná-lo um ponto forte, ideal para a fé. A Cruzada Norte é a facção mais recente a contestar a terra devastada pela guerra, ao se instalar na cidade fortaleza de Leryn. Atualmente, este território inclui a maior parte da região nordeste do rio Velha Mecha, incluindo as montanhas do Nordeste, bem como um trecho das terras mais planas ao sul de Leryn quase chegando em Rhydden e a oeste até o rio Negro. O Hierarca Severius, governante do Protetorado de Menoth, tem controle absoluto sobre este território, delegando o comando das forças da Cruzada Norte ao Grande Exemplar Kreoss e o governo de Lery nao Vice Perscrutador Vindictus.

A chegada da Cruzada Norte pegou as outras potências na região completamente de surpresa. Ninguém teria previsto que o Protetorado seria tão descarado para enviar uma porção tão importante da sua força militar para além de suas próprias fronteiras. Os objetivos da cruzada aqui são de singular importância espiritual, além de serem vitais para a Grande Cruzada da teocracia. O centro de seus planos é a conversão das seitas Menitas de Immoren à fé Sul-Menita, especialmente as massas de khadoranos, que parecem particularmente susceptíveis de se converter, se forem expostos à glória da Perscrutadora de Menoth.

A este respeito, a cruzada teve grandes sucessos, muitos llaeleses menitas reafirmaram sua fé no Criador. Severius escolheu Leryn como sede da Cruzada Norte, não apenas por suas formidáveis fortificações, mas também por sua substancial população Menita. Desde a chegada das forças Sul-Menitas, muitos adoradores anteriormente superficiais, renovaram o seu zelo e entusiasmo, inspirado pela visão da Perscrutadora e pelas palavras do hierarca. Mesmo morrowanos no território tem se convertido, quer a partir de desespero, ou depois de serem persuadidos que as dificuldades e mazelas do povo llaelês representam castigo divino por terem abandonados o Criador.

No entanto, a maioria dos habitantes do território permanecem pelo menos vagamente devotados a Morrow, e suas vidas foram bastante prejudicadas pela Cruzada Norte. A maioria vive com medo do que acontecerá com eles sob o domínio notoriamente severo da teocracia do Protetorado.

Tais medos foram validados quando Hierarca Severius queimou vivo o Koldun Lorde Volkh Lazar do Covenant dos Lordes Cinzentos, que anteriormente governava Leryn para Khador. Desde que o imponente exército da Cruzada Norte atravessou as ruas para reivindicar a Fortaleza Cabeça-do-Trovão, no entanto, houve poucas exibições da dura lei Sul-Menita. Severius é, segundo os padrões do Protetorado, bastante complacente e benevolente com as pessoas. Os perscrutadores aqui aplicam os códigos antigos, antes da chegada dos Orgoth – e os morrowanos podem adorar abertamente, desde que atendam aos serviços do Templo, paguem seus dízimos e reconheçam a supremacia do Criador.

Para o Sul-menitas esta é a extrema benevolência, mas as pessoas aqui ainda estão se ajustando a essas imposições, e da exigência de que todos os seus trabalhos contribuam para o Templo. Comparado à sua antiga liberdade, a vida tornou-se rígida, com toques de recolher, punições severas, mesmo para crimes triviais, e uma consciência de estar sendo observado em todos os momentos, enquanto em público. A maior parte da Cruzada do Norte ainda está focado na preparação para as batalhas por vir, convertendo toda a capacidade industrial da cidade para criar armas. Os Sul-Menitas também priorizam a construção de novos templos.

Existe uma tolerância zero para o comportamento entre os moradores da cidade, que possa ameaçar o trabalho da cruzada, mesmo ligeiramente. Enquanto as pessoas se sentem seguras em suas casas, onde seus pensamentos e discurso são seus, a onipresença das forças cruzadas nas ruas de cidades e vilas, provocam medo generalizado. Pouco depois da chegada deste exército, uma série de prisões e execuções demonstraram vividamente a rigidez com que os agentes do templo fariam valer as suas leis inflexíveis. Desde então, a população civil foi intimidada; até mesmo os moradores com a língua mais afiada, aprenderam a morder suas línguas com a passagem de Exemplares, e muitas tabernas e restaurantes fecharam ou impuseram limites aos excessos de seus clientes.

Todas as profissões e ofícios úteis para a Cruzada do Norte foram designados para o trabalho constante. Os sacerdotes e os monges da Ordem do Punho patrulham a região, principalmente os becos de Leryn para quaisquer pessoas acusadas de insolência ou preguiça. Os indivíduos assim identificados são forçosamente presos e colocados no trabalho, muitas vezes escolhidos para tarefas difíceis e perigosas, nas minas e pedreiras do Norte. Ex-músicos, pintores, poetas, taberneiros e atores agora lutam para parecerem produtivos e ocupados em capacidades benéficas para a cruzada. Alguns cidadãos deixaram Leryn para trabalhar em fazendas próximas, achando isso preferível que trabalhar nas minas.

Os antigos nobres da região que ficaram para trás, são talvez os mais abalados por essas mudanças. Alguns deles tinham chegado a arranjos confortáveis com os Lordes Cinzentos, que primeiro governaram Leryn depois da guerra. Cooperando e ajudando na pilhagem de antigos projetos do Crisol Dourado, esses nobres tinha a esperança de manter suas propriedades e continuar a viver em relativo conforto. No entanto, eles não concordam com a Cruzada Norte; o exército Protetorado apreendeu suas maiores propriedades para quartéis, e obrigou os nobres para se juntar às massas na busca de um trabalho útil. Essa igualdade forçada, colocou a Cruzada Norte nas graças de algumas pessoas das classes mais baixas, enquanto outras ficaram horrorizadas com essa alteração da ordem natural.

O território nordeste sofreu menos do que outras partes do Llael, mas muitos perigos permanecem além das muralhas da Leryn. As forças cryxianas são raras nesta região remota, mas ainda ocasionalmente se alimentam de aldeias isoladas nos arredores. Até agora, as patrulhas do Protetorado impediram um ataque mais amplo fosse realizado. Além de escaramuças frequentes com os khadoranos em todo o Rio Negro, alguns líderes seniores da Cruzada Norte planejam, um ataque mais decisivo contra a fortaleza que está sendo construída em Dois Rios. Enquanto Hierarca Severius está focada em reconstruir e reformar Leryn ele é esperado, para voltarem sua atenção para o exterior novamente.

A Cruzada do Norte é aliada da Resistência ao sul, embora suas relações tenham sido abaladas desde a imposição do domínio do Protetorado em Leryn. Os membros da Resistência mantêm comunicação ostensiva entre a Cruzada Norte e o Conselho da Resistência, além de servir para fornecer notícias a Rhydden sobre as circunstâncias da região. Os perscrutadores estão cientes da presença escondida de agentes de resistência na cidade, mas optaram por não agir contra eles por enquanto. Se a Resistência interferir com o Templo de qualquer maneira, isso mudará rapidamente. Atualmente, a Cruzada Norte considera a resistência útil para fornecer inteligência relacionada a seus inimigos em comuns, bem como para facilitar o apoio mercenário. Rhydden serve como um ponto de parada entre Leryn e o Protetorado. Se chegar o momento em que o sacerdócio sente a necessidade de assumir o controle de Rhydden e do território livre, está pronto para fazê-lo.

Líderes da Cruzada Norte

As forças da Cruzada Norte são um microcosmo das forças armadas do Protetorado de Menoth, já que tem acesso a todas as forças e recursos do Templo. O Hierarca Severius fez da Fortaleza Cabeça-do-Trovão em Leryn, a sede do seu poder e, a partir daqui ele comanda suas forças estratégicas, ao mesmo tempo em que fornece orientação para todo o Protetorado de Menoth. Sua consciência dos eventos do dia-a-dia no Sul é limitada, então ele confia nos sacerdotes e outros agentes do Templo que viajam entre Imer e Leryn, para trazer notícias e dispensar suas ordens. Dada a distância, ele deve deixar a governança do coração do Protetorado para o Sínodo em Imer. Da mesma forma, Severius confia em seus subordinados principais em Leryn, para supervisionar os detalhes operacionais da Cruzada Norte.

O sacerdócio serve a hierarquia, sendo os perscrutadores seus agentes mais confiáveis. Eles cuidam da administração dos territórios do Norte e garantem que a população de Leryne aqueles que vivem na região periférica sejam alocados em tarefas de apoio à Cruzada e que quaisquer insinuações sejam injustamente anuladas. Os perscrutadores seniores permanecem em alerta para planear ou planejar, pois o llaeleses pode estar subjugado, mas está longe de ser condescendentes. A maioria é ímpia ou sem fé e, portanto, não são confiáveis. Os recém-convertidos também estão sujeitos a escrutínio, e muitos sacerdotes de menor porte trabalham para garantir que esses indivíduos sejam educados na interpretação adequada da Verdadeira Lei, pela da doutrina e tradição Sul-Menita.

O Vice Perscrutador Vindictus é encarregado do bem-estar e controle da população enquanto supervisiona as guarnições de Leryn. Sendo um habilidoso e poderoso conjurador de guerra, ele é um importante recurso militar. Se ele for necessário para o serviço militar ativo, ele conta com subordinados prontos para cumprir seus deveres em Leryn.

O especialista militar mais confiável e importante do Hierarca Severius, é o Grande Exemplar Kreoss, mestre dos Cavaleiros Exemplares, um cavaleiro muito amado pelos sul-menitas. Quando o hierarca escolhe não liderar pessoalmente a ações militares da Cruzada Norte, ele entrega seu comando ao Grande Exemplar, que mantém lealdade e dedicação inabaláveis ao Criador e à Grande Cruzada.

A Cruzada do Norte inclui um número substancial de Cavaleiros Exemplares do Protetorado, que compõem uma grande parte de sua força armada. Muitas desses soldados de elite serviram na Guerra Caspia-Sul, já outros lutaram como parte da Cruzada Norte enquanto se moviam para o norte, através de Cygnar.

Embora estes sejam os líderes oficiais da Cruzada Norte, vários outros proeminentes indivíduos possuem posições e status, que os colocam em um patamar especial. Acima de todos está a Perscrutadora, que recentemente se juntou à Cruzada, após desempenhar um papel crucial no fim da Guerra Caspia-Sul, ao lado do Grande Exemplar e outros. A Perscrutadora é a conselheira pessoal do hierarca. No entanto, ela é muito mais do que isso para os menitas piedosos, sejam eles suleses ou recentemente convertidos. Ela é um lembrete da presença constante do Criador. Ela tem o dom da profecia, através da qual ela pode aconselhar a Cruzada em direção a seus objetivos sagrados. E às vezes Menoth fala diretamente através dela. Enquanto o hierarca interpretar essas palavras e as transformar em ações, nenhuma figura no Protetorado terá maior importância e reverência do que ela. Onde quer que a Perscrutadora esteja, ela transforma os corações e mentes daqueles que a veem, motivando-os a dar as suas vidas para ajudá-la. Ela por sua vez, salva muitos da destruição invocando o seu poder do divino.

O Testamento de Menoth é igualmente formidável e impressionante, embora seu comportamento provoque mais medo e pavor do que a adoração. Este mestre mudo e mascarado da Ordem dos Reclamadores, também está em comunhão direta com o Legislador. No entanto, a natureza de suas visões é bastante diferente, com foco em almas a serem recuperadas e inimigos específicos da fé a serem destruídos. O Testamento é talvez o único membro da Cruzada Norte que atua em completa autonomia. Os exércitos se levantam ao seu redor, e nenhum sacerdote questiona seus objetivos, quando ele se vincula a gigantes de guerra próximos. A burocracia da cruzada simplesmente o acomoda, pois, todas as suas ações são altamente sagradas. No entanto, o Testamento não fala nem distribui ordens, não governa ou se envolve em política, mesmo por procurações. Ele fica fora da cruzada, mesmo que seja parte dela.

Alto Executor Reznik é a última grande figura de autoridade da Cruzada Norte. O alto executor e suas forças respondem diretamente ao Hierarca Severius. Reznik, conta com mais de mil homens em sua força de defesa, podendo lidar com uma grande variedade de ameaças, tendo ainda acesso a um número formidável de gigantes de guerra pesados, que respondem diretamente a sua vontade. Reznik é frequentemente enviado para as comunidades periféricas de Leryn para destruir famosos inimigos da fé – aqueles considerados culpados de heresia ou insurreição – e para uma série de outras tarefas. A força de Reznik é uma conveniência política para o Hierarca, porque suas ações mais severas são atribuídas ao alto executor e não à Cruzada Norte, apoiando a aura de Vigilância de Severius, onde os transgressores o forçam a retirar sua mão protetora e deixando-os à mercê do Alto Executor.

Llael Dividido - Territórios de Llael - Território Khadorano #3

Laedry

Governante: Visconde Barak Ushka

População: 210,000 humanos (principalmente umbreanos)

Presença militar: Laedry é uma cidade vital tanto para o grande príncipe quanto para o exército Khadorano. Embora sua guarnição tenha sido reduzida, vários milhares de soldados khadoranas permanecem aqui. Eles servem ao grande príncipe e lutam ao lado de seus vassalos encarregados da defesa da região. O Grande Príncipe Tzepesci reuniu muitos de seus vassalos e seus soldados domésticos, formando um forte exército de dezenas de milhares de pessoas, incluindo milhares de cavalos de guerra. Embora seja uma força impressionante de umbreanos, ainda é inadequada para defender Umbrey contra a Cruzada do Norte, a ameaça mais significativa para a região.

Descrição: Laedry fica no coração de Umbrey unida e rapidamente se tornou um importante centro de poder no volozky, e posteriormente tornou-se sua capital. O Grande Príncipe Tzepesci passa muito do seu tempo aqui, sob a hospitalidade de seu vassalo mais leal, o Visconde Barak Ushka. A população local abraçou com entusiasmo a ideia de um Umbrey unida, orgulhosa de ver o amanhecer de um novo dia para esse povo a muito dividido.

Laedry foi construída perto da antiga Korska, a capital umbreana arrasada pelo Orgoth em 542 AR. Rei Malyk Lymos II fundou a nova cidade aqui em 328 DR e ordenou que a construção deveria ser no velho estilo umbreano, para honrar o povo desta região. Os edifícios umbreanos assemelham-se mais a arquitetura khadorana que llaelêsa, mas muitos bairros refletem a influência da cultura Ryn.

Enquanto o povo de Laedry são severos e menos dispostos a medir as palavras do que os seus compatriotas do Leste, eles são, indiscutivelmente, mais cultos e refinados do que seus rústicos parentes khadoranos. Isto tornou-se mais pronunciado com o afluxo de milhares de umbreanos de Khador, que se mudaram para a cidade em busca de maiores oportunidades. A mistura das distintas culturas ocidental e oriental dos umbreanos está em curso, mas não tem sido fácil.

 No calor da invasão khadorana, Laedry foi um ativo foco da Resistência, seu povo de espírito independente era hostil às forças da ocupação. A população umbreana dominante não desejava se tornar cidadão de Khador, tendo em vista que a tempos ansiavam o restabelecimento de seu antigo reino. Os primeiros anos de ocupação foram marcados por desordem civil e os assassinatos de vários oficiais militares khadoranos. No entanto, o Grande Príncipe Tzepesci, a quem o povo umbreano vê como o regente de suas terras ancestrais, abraçou o movimento crescente para um Reino umbreano. Quando convenceu a imperatriz de reconhecer suas reivindicações, a maioria das pessoas de Laedry saudou a unificação de Umbrey com alívio e alegria. Nos meses desde então, Laedry tornou-se uma fortaleza do poder umbreano.

Os cidadãos repararam a maior parte do dano causado durante a invasão, e o governo khadorano melhorou a vida dos cidadãos da cidade. Laedry está agora conectado à linha ferroviária que se estende de Rorschik, a Elsinburgo e Merywyn, aumentando o comércio. Mesmo assim, a concorrência é pesada para os comerciantes locais, que agora devem competir com os predatórios kayazy. Além disso, a população rynda cidade ainda não se adaptou a vida como cidadãos da Volozkya de Umbrey. Significativas células de Resistência Llaelêsa ainda existem aqui; O grande príncipe Tzepesci e seus subordinados estão cientes disso, embora tenham tido pouco sucesso em rastreá-los.

Uma das características mais curiosas e macabras de Laedry, mas bastante valorizada pelos moradores, é o anel de túmulos em torno das muralhas da cidade. Os habitantes locais nunca se referem aos Campos de Honra como “cemitérios”, pois o termo é considerado desrespeitoso. Algumas dessas antigas tumbas são anteriores à fundação da cidade e estão conectadas por estranhos caminhos estreitos por meio de cercas de lanças de ferro. Muitas novas sepulturas foram escavadas aqui após a Guerra Llaelêsa.

O centro de governo da cidade é o Salão do Lordes, que foi totalmente reclamado pelo grande príncipe e sua casa. Novas obras já começaram para expandir esses prédios, e com o tempo este grande complexo abrigará toda a burocracia de Umbrey, incluindo os segredos que o grande príncipe escolhe preservar.

Outra área de rápida expansão tem sido as forjas, oficinas e fundições da cidade, muitas das quais são usadas para criar armas e armamentos para o exército de Vladimir, bem como para produzir gigantes-a-vapor. Este crescimento tem atraído muitos engenheiros aspirantes e mekânicos, particularmente de Khador, que têm uma chance de aqui deixar a sua marca no início de reinado do grande príncipe.

Merywyn

Governante: Kommandant Mikhail Ivdanovich

População: 240,000 humanos (principalmente ryn umbreanos e khards); 6.000 gobbers; 1.500 rhulêses; 800 ogruns.

Presença militar: 2ª Divisão do 1º Exército de Kommandant Ivdanovich está sediada em Merywyn.

Descrição: a antiga capital brilhante e bastião da cultura llaelêsa, Merywyn é uma cidade de torres altas, contrafortes e arquitetura barroca. Anteriormente, o centro da economia llaelêsa, Merywyn sempre confiou no trânsito ao longo do Rio Negro para o seu comércio, recebendo e direcionando todos os navios mercantes permitidos, além de suas protegidas estações de vigilância. As famílias mais influentes do reino, passavam grandes partes do ano na cidade, atendendo ao Conselho dos Nobres na Câmara Imaculada. Recentemente, no entanto, o palácio real de Merywyn tornou-se a sede e quartel central para a 2ª Divisão do Primeiro Exército de Khador.

O cerco de Merywyn foi um dos mais longos e mais prolongados incidentes da invasão khadorana; a capital resistiu por quase três meses antes de render-se no dia 12 de Cinten, 605 DR. Foi uma batalha sangrenta e brutal, e os habitantes sofreram muito, com o corte da comida e dos suprimentos externos. O fogo da artilharia causou um grande impacto nos edifícios da cidade, e parece que pode levar mais de uma geração para restaurar Merywyn a sua beleza anterior. Os ataques e atentados causados pelas células da Resistência que visam as forças de ocupação apenas agravaram os danos causados pela guerra, e o assassinato de oficiais e colaboradores Khadoranos de alto escalão por agentes llaeleses, apenas aumenta essa paranoia e incerteza.

A cidade agora é governada por burocratas que respondem ao Kommandant Mikhail Ivdanovich. Enquanto o Grande Príncipe Tzepesci governa a volozkya umbreana, o exército controla Merywyn. É a partir da cidade, que Ivdanovich coordena os trens de fornecimento e a logística da máquina de guerra khadorana na Floresta dos Espinhos, e grande parte da população da cidade trabalha para apoiar esses esforços. Consequentemente, muitos kayazy reuniram-se em Merywyn buscando novos mercados que os deixaram lucrar com a guerra. A presença kayazy se tornou significativa, auxiliando na transformação da capital em uma cidade industrial, mas complicando o controle militar da cidade.

Surpreendentemente o governo Khadorano não poupou gastos para reparar e restaurar Merywyn com velocidade chocante. Apenas três anos depois da invasão, Merywyn mostra poucos sinais dos terríveis danos que sofreu, tornando-se uma metrópole, o bastião oriental do Império Khadorano. Merywyn também é o terminal oriental da Estrada de Ferro que se estende de Rorschik através de Laedry e Elsinburgo para a antiga capital.

Merywyn foi projetado para exaltar riqueza e esconder a pobreza. Seus principais passeios, concursos e rios passam jardins extensos, bibliotecas antigas, galerias de arte, salas de música e teatros. As propriedades de nobres llaeleses mortos ou exilados durante a guerra são agora as casas dos oficiais Khadoranos e kayazy proeminentes. Em contraste, as indústrias da cidade, bem como as casas apertadas das classes mais baixas, estão escondidas das principais vias atrás de altas paredes cobertas de hera. Um influxo de refugiados e recém-chegados, novas habitações, no entanto, forçou a ser construído em outro lugar, provocando o caos em antigos bairros residenciais. Isso tem sido exacerbado pelo exército Khadorano que tomou certos edifícios históricos para suas próprias necessidades, ligando pouco para sua estética. Muitos llaeleses lamentam que a cidade nunca mais seja a mesma.

A Resistência ainda mantém células em Merywyn, mas eles são constantemente perseguidos por agentes do Chancelaria Primaz e pela Seção Três, que tem um escritório na cidade. Os combatentes da resistência estão cada vez mais desesperados. Isto é sem dúvida o lugar mais perigoso para eles operarem; Merywyn é um lugar que apenas os agentes mais eficazes podem sobreviver. Sua liderança já mudou sete vezes desde o fim da guerra, devido a prisões, execuções e assassinatos por agentes de inteligência khadorana.

Dois Rios

Governante: Lorde Vasko Durga

População: 12 mil humanos (principalmente ryn umbreanos e khards)

Presença militar: Dois Rios é guarnecido por dois batalhões do 1º Exército. Estes são apoiados por centenas de engenheiros da Assembleia Khadorana de Mekânicos que supervisionam a reconstrução e o fortalecimento da cidade.

Descrição: Construído onde os rios Negro e Velha Mecha se encontram, Dois Rios era uma próspera cidade de 60.000 habitantes antes da guerra. Desde a antiguidade, a cidade prosperou no comércio de rios, na construção de barcos e ainda possuía excelentes terras agrícolas. Dois Rios tinha uma história tranquila até a invasão khadorana, quando sofreu mais do que qualquer cidade em Llael.

Como um aviso para o povo llaelês do preço da resistência, no início de 605 DR, as forças de Khador desencadearam a desgraça de Dois Rios, matando milhares de cidadãos ao arrasar a cidade, destruindo completamente seus antigos edifícios. Dois Rios tinha sido um local de grandes batalhas entre os khadoranos e as forças de cygnaranas entrincheiradas em Llael; se essa luta já não tivesse tirado dezenas de milhares de suas casas, o massacre teria sido ainda mais terrível. Mesmo assim, muitos dos sobreviventes que fugiam para Rhydden morreram de fome e doença tentando chegar lá, enquanto as ruínas de suas casas abandonadas ardiam por semanas.

Desde de o fim da guerra, Dois Rios tem sido um ponto sensível para os llaeleses conquistados. A memória de sua destruição tem alimentado a Resistência, tornando mais difícil para os llaeleses aceitar o domínio khadorano. Para aliviar essas tensões o Grande Príncipe Vladimir Tzepesci, iniciou um plano para investir na reconstrução da cidade, além de fornecer casas e trabalho para aquelas pessoas cujas vidas foram destruídas pela guerra. O Alto Kommando concordou com isso, desde que uma poderosa fortificação seja estabelecida aqui. As contribuições do tesouro de Tzepesci foram insuficientes para cobrir estes custos, de modo que o grande príncipe atraiu uma série de kayazy para investir na cidade.

Uma vez que Dois Rios seja reconstruída, espera-se ela venha a se tornar um centro de comércio com Rhul e as cidades de Khadoranas de Llael. Por estar na extremidade do território khadorano, em uma área recentemente contestada pelas forças da Cruzada Norte, também é um local de grande importância estratégica. O Alto Kommando pretende que a sua nova fortaleza desencoraje os sul-menitas de novas incursões para o oeste.

Rynyr

Governante: Posadnik Palyn di Myr

População: 26.000 humanos (principalmente ryn, skirov e umbreanos), além de várias centenas de Gobbers e Rhulêses.

Presença militar: Rynyr é guarnecido por dois batalhões do 1º Exército.

Descrição: Possivelmente o arremedo da civilização mais inóspito dos Reinos de Ferro, Rynyr é uma agitada cidade mineradora na base dos Picos Trovejantes em uma área altamente vulcânica. Os locais mineram a pólvora vermelha que é um componente importante na produção de pólvora explosiva. A pólvora vermelha é uma substância pungente que cobre tudo e todos em Rynyr. A exposição ao pó pode causar uma grave alergia; A exposição prolongada pode causar queimaduras na pele e irritação pulmonar. Os habitantes de Rynyr sempre usam couros embebidos de água da cabeça aos pés, bem como óculos de proteção, e poucos se aventuram fora sem pelo menos um pano úmido para cobrir o rosto e respirar. A cidade tornou-se um caldeirão dos povos mais desesperados de Llael, incluindo khadoranos indigentes, umbreanos empobrecidos e ryn marginalizados.

A cidade é construída nas paredes da fenda vulcânica, que emanam calor intenso. As altíssimas passarelas e pontes conectam grandes conjuntos de edifícios, e uma rede de cabos transporta baldes de minério. Os edifícios são construídos inteiramente de pedra e tijolos – nenhuma madeira pode ser usada aqui por medo do fogo – e cada porta e janela devem ser muito bem seladas para manter o pó fora. É um lugar terrível para se viver, mas aqueles que podem tolerá-lo, e trabalhar duro podem viver aqui. Os industriais khadoranos veem uma enorme oportunidade em Rynyr, e as operações de mineração da cidade expandiram-se dramaticamente desde o início da ocupação. Quase uma dúzia de novas empresas de mineração se mudaram ou nasceram aqui, incluindo operações controladas pela Transportes & Ferrovias Blaustavya.


O Posadnik Palyn di Myr governa este lugar; um nobre llaelês e ex-barão de Rynyr, ele tem um talento especial para a sobrevivência e alianças instáveis. O “Tirano da Pólvora” não só suportou a guerra, como manteve o controle sobre Rynyr, abrindo sua produção para os mercados de Khador. Com muitos aliados poderosos em todo o Império, di Myr virtualmente se reinventou como um kayazy ryne agora trabalha em estreita colaboração com o exércitok, garantindo que o trabalho nas minas nunca pare.

Llael Dividido - Territórios de Llael - Território Khadorano #2

Ministérios de Llael

Embora o governo de Llael tenha se rendido a Khador, uma parte de sua burocracia foi preservada para auxiliar na transição para o domínio Imperial. O Exército Khadorano e o Grande Príncipe Tzepesci acham mais fácil permitir que esses escritórios continuem seu trabalho, em vez de substituir o governo completamente, para algo semelhante as outras volozkya khadoranas. Assim, muitos dos antigos ministérios continuam operando em Merywyn, e os funcionários e oficiais continuam seu trabalho como antes, embora agora sob o olhar atento dos comandantes Khadoranos. Embora existam ministérios, não há ministros; os Khadoranos os substituíram por posadniks e oficiais de abastecimento, escolhidos pelo próprio Kommandant Mikhail Ivdanovich.

Ivdanovich, o chefe do controle de Merywyn, é conhecido por suas cadeias de abastecimento perfeitamente gerenciadas e por uma burocracia eficiente. Seus melhores administradores e funcionários agora controlam muitos dos ministérios, onde sua primeira tarefa foi erradicar a corrupção no antigo governo llaelês. Isso efetivamente aumentou a receita llaelêsa consideravelmente, pois esta servia para o enriquecimento ilícito de muitos políticos e cidadãos corruptos.

Os seguintes ministérios ainda operam em Merywyn: o Ministério do Tesouro e Tributação (uma vez que dois ministérios separados, agora combinados); o Ministério do Comércio; o Ministério dos Direitos e Registros; o Ministério das Estradas, Rios e Esgoto; Ministério da Agricultura, Minas e Pedreiras; o Ministério das Normas e Medidas; e o Ministério das Artes e Letras. Os ex-Ministérios da Segurança Interna, da Defesa do Reino, e das Relações Exteriores foram abolidos e seus funcionários mais capazes transferidos. Alguns remanescentes da Segurança Interna foram autorizados a continuar as investigações criminais dentro de Merywyn, especificamente para erradicar a Resistência Llaelêsa. A Seção Três do Ministério do Grande Vizir, que tem agentes em Merywyn e Laedry, supervisiona esses esforços.

Houve alguns desentendimentos e choques de responsabilidades, entre o antigo governo central em Merywyn e novos escritórios estabelecidos em Laedry. Eventualmente, espera-se que o centro do governo seja movido inteiramente para Laedry, onde a elite governante de Umbrey se reunirá, mas por enquanto, a burocracia do reino permanece em Merywyn. Com as contínuas ameaças significativas para a região, o Grande Príncipe Tzepesci se manteve com seus cavaleiros armados, em vez de governar.

O Exército Khadorano em Llael
Uma visão geral do exército Khadorano em Llael é descrita no capítulo 2 (ver “O 1º Exército: a Bigorna”, p.XXX). Inicialmente, a tarefa de manter este território ocupava a totalidade do 1º Exército. A guerra contra Cygnar, no entanto, exigiu realocação de muitos elementos do 1º Exército para a Floresta dos Espinhos. Atualmente, apenas a 2ª Divisão do 1º Exército sob o comando do Kommandant Voroshilov Klimovich permanece em Llael.

Klimovich supervisiona os aproximadamente 70 mil soldados em Llael e trabalha em estreita colaboração com o seu superior, Kommandant Mikhail Ivdanovich, que é responsável por todo o 1º Exército. Ivdanovich é um dos oficiais favorecidos pelo Supremo Kommandant Irusk, e detêm considerável responsabilidade pela região, incluindo controle militar do território Khadorano.

Ambos os líderes ainda estão se acostumando à unificação de Umbrey sob governo do Grande Príncipe Vladimir Tzepesci. Há grande tensão entre os militares e o grande príncipe, cujas petições por tropas adicionais, para proteger as pessoas do seu território foram recusadas pelo Supremo Kommandant Irusk. Ivdanovich é visto como o homem de Irusk, e no que diz respeito ao Grande Príncipe Tzepesci, o colega tem sido tão impotente para proteger as vilas periféricas quanto ele. Na verdade, a prioridade da Ivdanovich é proteger os bens militares mais importantes da região. Por enquanto, isso inclui as substanciais indústrias de Laedry e Merywyn, a mineração de pólvora em Rynyr e a nova fortificação fronteiriça em Dois Rios. Todas as outras considerações são secundárias.

Um dos objetivos do 1º Exército aqui, é converter o máximo possível da capacidade industrial do território, para a produção militar. Estes esforços estão bem avançados em Merywyn; Laedry sofreu uma transformação mais lenta, mas está construindo fundições e oficinas capazes de consertar e produzir novos gigantes de guerra khadoranos.

Cidades do Território de Khadorano

Elsinburgo

Governante: Condessa Stacia Kepetch

População: 90.000 humanos (principalmente ryne umbreanos com um influxo recente de khards), algumas centenas de gobbers;

Presença militar: Elsinburgo é guarnecido por três pelotões da Guarda de Inverno do 1º exército. Além disso, as famílias Tzepesci e Kepetch têm grandes forças privadas na cidade.

Descrição: Elsinburgo é uma cidade na borda do território umbreano, rica em recursos. Reconhecido por seus impressionantes e belos edifícios de pedra e paredes exteriores de mármore branco, Elsinburgo era uma antiga cidade comercial habitada por umbreanos e ryn. Com o tempo, tornou-se um bastião significativa de conhecimento superior; daqui a Ascendida Angellia completou o seu trabalho mais duradouro. Ela é considerada patrona da cidade. É no mosteiro onde estão enterrados seus restos mortais, tornando-se um importante local de peregrinação. A maioria do povo de Elsinburgo ganham a vida trabalhando nas pedreiras, criação de ovelhas ou na indústria têxtil da cidade.

Elsinburgo foi uma das primeiras cidades a cair no assalto inicial dos khadoranos. A luta durou apenas alguns dias, o que resultou em danos relativamente pequenos a cidade. Dizem que o arquiduque Cherydwyn se rendeu logo que os soldados pisaram em sua propriedade, antes que os soldados llaeleses restantes tivessem se envolvido propriamente no combate.

O povo de Elsinburgo se ajustou bem ao domínio Khadorano. Com a unificação de Umbrey, o controle provisório da cidade foi removido de Kommandat Negomir Tarovic e o Grande Príncipe Tzepesci o atribuiu a sua fiel vassala Alena Kepetch, elevando-a à Condessa de Elsinburgo. A linhagem da condessa é antiga e bem respeitado em Umbrey, tanto no Leste quanto no Oeste, e ela é considerada uma governante justa. Como um gesto de boa-fé para com os seus cidadãos, ela ainda permitiu que o ex-baronesa de Elsinburgo, Rashel Ganelyn, continuasse a viver na cidade, embora sob vigilância.

Ganelyn é secretamente a principal agente da Resistência em Elsinburgo, embora suas atividades tenham sido reduzidas pela prisão domiciliar. Ela mantém um pouco de liberdade através de passagens escondidas sob sua propriedade, que são desconhecidas por seus guardas, a quem ela tem encantado com seu carisma e sagacidade.

A biblioteca de Elsinburgo contém uma das coleções históricas mais abrangentes dos Reinos de Ferro, mas o próprio edifício também é um monumento histórico. A Ascendida Angellia fundou a biblioteca original em 1033 AR, seis anos antes da ascensão. A parte mais antiga do edifício é um cofre de pedra simples no coração da biblioteca, que abriga seus tomos mais valiosos. Com o passar dos séculos, a coleção da biblioteca cresceu e novas salas foram adicionadas. Durante o Orgoth Ocupação, a biblioteca foi usada como quartel pelos invasores, mas os monges preservaram a coleção, escondendo-a em centenas de esconderijos secretos.

Uma vez que a Ocupação acabou, a biblioteca permaneceu sob o controle da Igreja de Morrow, apesar das tentativas dos Lordes Cinzentos de obter o controle sobre ela. Ela continua ocupada por monges eruditos e sacerdotes que escolheram Angellia como patrona. Os Lordes Cinzentos são visitantes regulares da biblioteca, realizando pesquisas relacionadas aos estudos ocultos.

O Mosteiro adjacente da Ascendida Angellia preserva relíquias importantes do ascendido, em particular os seus restos mortais. Vários cavaleiros da Ordem da Manutenção estão sempre aqui para proteger as relíquias. Ultimamente estes cavaleiros também passaram a para patrulhar a biblioteca, dando os monges apoio necessários para manter os curiosos Lordes Cinzentos longe das tumbas proibidas.

A Marcha dos Mortos
Elsinburgo é rica em história; cada século tem deixado sua marca no próprio tecido da cidade. Estátuas de mármore e marcos de pedra comemora as batalhas, glorificam grandes heróis e difamam velhos inimigos. As pessoas celebram inúmeros feriados e festas que relembram a sua história, nenhum tão significativo como a Marcha Anual dos Mortos.

No início de uma manhã de frio outono, gerações atrás, soldados espectrais apareceram no nevoeiro e começaram a marchar pela rua principal da cidade. Eles se juntaram em linhas e marcharam pela cidade antes de desaparecer de vista ao passarem pela Porta Oriental de Elsinburgo. A primeira manifestação deste espetáculo causou pânico e confusão, mas ao longo das décadas se tornou um evento esperado e até antecipado entre os locais.

Os estudiosos concordam que este é o exército do Barão General Ghan Gallowey, cujas forças misteriosamente desapareceram em 183 DR enquanto marchavam para reforçar Guarda do Corvo contra o Orgoth. Eles nunca foram encontrados, e a fortaleza caiu naquele inverno, sendo reconstruída apenas anos depois da partida dos Orgoth.


A cada ano o povo de Elsinburgo se reúnem para assistir a esta procissão em um ambiente curioso evocando tanto de pompa de um desfile militar e a solenidade de um funeral. No passado, os observadores levavam bandeiras de Llael enquanto observavam o fenômeno espectral, mas sob o domínio Khadorano, esse costume não é mais permitido.

Llael Dividido - Territórios de Llael - Território Khadorano #1

Território Khadorano

Tipo de Governo: Volozkya do Império Khadorano

Governantes: o Grande Príncipe Vladimir Tzepesci de Umbrey e Kommandant Mikhail Ivdanovich

Capitais: Enquanto o trono ancestral do Grande Príncipe Tzepesci é Castelo Tzepesci nas Colinas Kovosk, o centro administrativo de Umbrey é Salão dos Lordes em Laedry, que está sendo reconstruído para abrigar o governo umbreano central. O Kommandant Ivdanovich comanda as forças do exército Khadorano em Llael de Merywyn.

Grupos Étnicos & População: 920.000 Ryn; 31.5000 Umbreanos; 77.000 Khards; 23.000 Povo-do-Meio; 21.000 Bogrins; 18.000 Skirov; 8.000 Gobbers; 4.000 Thurianos; 3.800 Ogruns; 3.500 Rhulêses; 3.300 Tordoranos; 3.100 Trollóides; 1.900 Iosanos; 700 Caspianos/Suleses; 500 Morridanos;

Idiomas: Llaelês (primário), Khadorano, Cygnarano;

Religiões predominantes: maioria morrowana, significativa minoria Menita;

Cidades importantes: Elsinburgo, Laedry, Merywyn, Dois Rios (sendo reconstruído), Rynyr;

Cidades significativas (não mapeadas): Albyn, Balcourt, Borwyke, Boudfield, Dunlyfe, Gustyn Magna, Gylhurst, Lymsby, Lyanbeck, Mynydd Ghelt, Norpyll, Peryth, Sudstrath, Whelworth, Wythlow


Não há dúvida de que Khador ganhou a Guerra Llaelêsa, expandindo suas fronteiras e apreendendo bens para reforçar seus esforços das guerras em curso. Permanentemente fixar a região tem provado ser mais complicado do que foi previsto, no entanto. Apesar dos contratempos, o território controlado pelos khadoranos é a maior das três divisões políticas de Llael e inclui a totalidade do reino ocidental, do rio Negro as terras que cercam Merywyn. Isso abrange a maior parte das terras mais férteis e valiosas, além das maiores cidades industrializadas. A maior parte da região ocidental juntou-se com as antigas terras umbreanas para formar a maior volozkya de Khador, Umbrey (ver p. XXX). O território é governado conjuntamente pelo Grande Príncipe Vladimir Tzepesci, que controla Umbrey, e Kommandant Mikhail Ivdanovich em Merywyn, que comanda o exército Khadorano estacionado em Llael.

Embora este território não seja tão diverso quanto a própria Khador, existem mudanças marcantes no clima e na geografia do Norte ao Sul. A região mais setentrional é marcada por uma alta cadeia de imponentes montanhas, e aqui o clima pode ser bastante rigoroso, especialmente no inverno. Conhecido como o Velho Cume em Llael, estas são os confins mais ao sul de uma das maiores cadeias de montanhas contínuas no oeste de Immoren, que se estende até as Montanhas Borokuhn no norte de Rhul. A região montanhosa torna-se mais suave e agradável durante o verão, embora o degelo da primavera possa resultar em grandes inundações. Essas montanhas são ricas em recursos minerais e várias minas retornaram à operação sob o governo de Khadorano.

As montanhas llaelêsas são consideradas o lar dos umbreanos orientais e abrigam muitas cidades e castelos desse povo. Muitos umbreanos fugiram para cá durante a Ocupação Orgoth para escapar da escravidão. Velha Korska já reinou na base dessas montanhas, mas foi arrasada e hoje, é uma importante ruína histórica. A cidade de Laedry mais tarde foi estabelecida como um novo lar para o povo umbreano.

Uma das maiores cidades de Llael, Laedry cresceu em importância desde o fim da Guerra, principalmente por ser o coração administrativo de Umbrey. A cidade tem crescido à medida que mais cidadãos se mudam para cá, com a conclusão da ferrovia vinda de Korsk, ela tende a crescer e prosperar ainda mais. Esta ferrovia, passará por Elsinburgo e Merywyn, facilitando o transporte de mercadorias através da região, embora tenha sido destinada principalmente para acelerar o movimento de suprimentos militares.

Ao sul das montanhas, o Oeste de Llael é uma fértil planície, uma área já governada pelos cavaleiros umbreanos. Suas propriedades ficavam nas montanhas, mas passavam a maior parte do ano com seus ótimos rebanhos nesta região do sul. As planícies aqui fornecem melhores terras agrícolas do que as terras a oeste de Khador, e o cuidado dado pela gestão Llaelêsa melhorou a qualidade desse solo extremamente rico. O clima geralmente é mais quente nesta região do que no Norte, mas o inverno aqui pode ser quase tão severo quanto no Sul de Khador, com fortes nevascas que podem paralisar a região. A área ganha vida durante a primavera e o verão, tornando o clima bastante agradável e acolhedor. A região sul também inclui várias planícies inundáveis, que podem ser traiçoeiras às vezes, mas os locais sabem como se virar.

Esta região é o celeiro de Llael, fornecendo comida às grandes populações de Laedry e Merywyn, bem como à cidade de Elsinburgo. Enquanto Merywyn e Elsinburgo são os principais centros populacionais, esta área historicamente incluiu numerosas aldeias e vilas agrícolas. Durante a guerra, muitos habitantes dessas áreas rurais abandonaram suas casas e fugiram para Merywyn ou para fora do reino. Os Khadoranos ofereceram incentivos para reconstruir essas cidades, e as fazendas estão retornando ao pleno funcionamento, muitas vezes com novos proprietários. Um número significativo de khadoranos, particularmente khadoranos umbreanos, se mudaram para esta região, para explorar essas novas oportunidades. Muitas fazendas do Sul, no passado pertencentes a agricultores ryn são agora administradas por umbreanos que nem sequer falam Llaelês.

O influxo de imigrantes khadoranos também afetou as cidades, principalmente no governo e na indústria. Khadoranos de influência e bens que se mudaram para cá, garantiram importantes posições. Os kayazy, os príncipes mercantes de Khador, seguiram a dianteira do exército de Khador e tornaram sua presença conhecida. Muitos dos posadniks governantes são kayazy ou oficiais militares sendo recompensados por um serviço excepcional. Estes dois campos nem sempre se dão bem, levando a vários desacordos à medida que a região transita do domínio militar para o domínio civil do Império Khadorano. O kayazy tem uma forte influência em Merywyn e Rynyr, além de controlar a reconstrução que ocorre em Dois Rios. Eles começaram a ganhar uma influência controladora sobre as terras agrícolas centrais e a limitada indústria pesada de Llael.

Os aristocratas ryn sobreviventes que permanecem nesta região têm procurado assegurar a sua própria prosperidade. Enquanto muitos nobres llaeleses rebeldes foram executados após a rendição de Merywyn e outros fugiram para o exterior, alguns ficaram para trás e tentaram tirar melhor proveito das circunstâncias. Muitos se tornaram colaboradores, assegurando o seu futuro, cooperando com os khadoranos. Esses nobres são desprezados por seus compatriotas, mas sobreviveram à transição, conservando e às vezes expandindo suas riquezas, bem como controle limitado sobre suas terras. Eles continuam a ser um ponto importante na política local, embora os arranjos que fizeram com o Exército Khadorano possam não sobreviver às transições em Umbrey. Além disso, eles são alvos os principais da ira da Resistência.

Em maior parte, os habitantes locais aceitaram as regras Khadoranas e estão conquistando lentamente seu lugar no império, embora isso não tenha sido fácil. Os umbreanos aceitaram com mais facilidade esta transição, desde a unificação com seus parentes ocidentais, em parte porque eles eram muitas vezes tratados como cidadãos de segunda categoria pelos ryn e ao ver seu povo tomar posições de autoridade, tem animado muitos umbreanos. No entanto, a maioria dos umbreanos em posições significativas de poder, são nascidos de Khador, posições que ainda não são permitidas aos umbreanos llaeleses. Após se recuperar dos estragos da guerra, muitos umbreanos veem suas vidas começando a melhorar.

A maior mudança que tiveram que enfrentar, foi o grande controle burocrático do Império. Comparado com Khador, o antigo Conselho dos Nobres mantinha um frouxo controle sobre a burocracia, assim, muitos llaeleses agora se sentem em um estado policial. Há maior controle sobre a população, o movimento entre as regiões é cuidadosamente regulado e controlado. No entanto, a Resistência Llaelêsa persiste apesar dos esforços para erradicá-los. Aqueles que tentam adaptar-se ao domínio Imperial se ressentem da Resistência, por tornar a sua vida mais complicada. Os khadoranos veem cada cidadão llaelês como um potencial colaboradores da Resistência. Prisões, interrogatórios, e tapeçarias ocorrem diariamente, mas as células de Resistência são cautelosas e operam mesmo com a intensa pressão das autoridades Khadoranas.

Merywyn é entre as cidades ocidentais, a mais rigorosamente controlada, estando sob controle direto do exército Khadorano. Umbrey mantém um controle menos rigoroso da população, embora mesmo aqui as leis sejam rigorosamente aplicadas e as punições de Khador para transgressores são universalmente mais severas do que sob as velhas leis llaelesas. A justiça é rápida e brutal.

No entanto, os llaelenses são adaptáveis e politicamente conscientes e estão aprendendo as complexidades da etiqueta de Khadorana. Eles são tranquilizados pelo fato de que existe corrupção sob o governo khadorano, assim como ocorreu com a antiga aristocracia - há simplesmente diferentes bolsos para preencher. A presença dos kayazy é quase reconfortante para os comerciantes e aristocratas de língua rápida do Oeste de Llael, pois estas são pessoas que eles conseguem entender.

Embora a vida no Oeste seja indiscutivelmente mais estável do que em qualquer outro lugar em Llael, não é livre de perigos e dificuldades. O Império Khadorano ainda está se recuperando dos inconvenientes humilhantes que sofreram em Leryn depois que a cidade foi perdida para Cruzada Norte. Khador não estava preparado para isso, e agora a Cruzada Norte é uma ameaça significativa para a fronteira leste do território de Khadorano. Os líderes khadoranos sabem que o Protetorado logo irá reivindicar novas terras. Ao mesmo tempo, Khador desviou a maior parte de suas forças para a Floresta Norte, reduzindo as guarnições da pátria em Llael. O Grande Príncipe Tzepesci deve compensar essa falta de mão-de-obra, mas seu exército é pequeno e não pode patrulhar todo o território. As tensões continuam ao longo do Rio Negro, onde os acampamentos armados observam ameaças no Leste.

Mesmo que Khador pretenda controlar o resto do Llael, o custo para isso é muito grande, enquanto a Floresta dos Espinhos permanecer insegura. Khador preferiu evitar um assalto direto a Leryn mesmo quando a maior parte de suas forças estavam em Llael; tomar a cidade agora é insustentável. Em vez disso, sua política se concentra na contenção e defesa de suas extensas fronteiras na região. As forças de Khador começaram a reconstruir a cidade nordeste de Dois Rios como parte do esforço de fortificar a fronteira oriental. Além disso, a defesa de Rynyr é de extrema importância, devido a benção estratégica que é sua produção mineral.

Da mesma forma, Khador não considerou o envio de uma grande ofensiva contra a Resistência, profundamente entrincheirada em Rhydden. As forças da Resistência continuam a enfrentar as guarnições do exército, mas os khadoranos apenas se concentram em erradicar células em cidades Khadoranas, em vez de atacar Llael Livre. Ainda assim, as patrulhas ao longo da borda sudeste se envolvem com unidades menores da resistência, onde quer que elas possam ser isoladas e destruídas. O Exército Khadorano regularmente invade cidades e fazendas livres para manter a Resistência desequilibrada os impedindo de explorar completamente os territórios livres.

Uma das ameaças mais problemáticas para a região khadorana, como também acontece em outros lugares em Llael, é um aumento na atividade cryxiana por essas bandas. Desde que Cryx varreu a região após a guerra, houve pouco progresso em rastreá-los. O grande príncipe Tzepesci foi gravemente ferido no final da guerra, lutando contra Cryx e acredita que essa é a maior ameaça contra Umbrey. Por enquanto, a necessidade khadorana de barrar o avanço da Cruzada Norte, impediu que eles se concentraram em Cryx, exceto quando surge essas ameaças. As invasões de Cryx contra cidades e aldeias periféricas nos últimos meses dificultaram a recuperação da população local.

O Rio Negro é a característica geográfica mais importante deste território, mais ainda do que as Montanhas Llaelesas, e é por isso que Khador fez de tudo para controlar a região ocidental ao seu redor. Os khadoranos consideram vital o controle do rio para o controle de Llael, trabalhando para garantir as poucas pontes e cruzamentos do rio, que são de extrema importância estratégica. Os cruzamentos mais significativos estão em Dois Rios e Merywyn. O Rio Negro é uma barreira natural contra a Cruzada do Norte; o que não acontece com a Resistência pois ela se move de forma despercebida em pequenos números.

Os mercadores e comerciantes llaeleses restantes sabem bem que o comércio do rio sofreu desde a guerra. Todo o comércio com Cygnar foi proibido; os contrabandistas se arriscam a serem executados. Alguns llaeleses oportunistas ainda realizam esse comércio ilegal pelo rio, mesmo sendo perigoso, mas as rotas terrestres ainda são necessárias para levar qualquer carga significativa. Khador tem controle absoluto sobre as vias navegáveis em Merywyn, e transportar qualquer coisa para o sul, sem a cooperação do exército é quase impossível. Os militares de khadoranos usam o rio para abastecer suas forças perto de Corvis, mesmo que não tenham controle total sobre o mesmo, ao sul de Merywyn. A Resistência, os Kriels Trollóides e outros saqueadores, às vezes atacam essa rota a partir da Mata Cintilante e da Floreta Norte.

O rígido controle sobre este rio, também atrapalhou o relacionamento de Khador com Rhul, que conduzia grande parte de seu comércio ao longo desta rota. A situação é delicada; a imperatriz ordenou a seus funcionários, que eles evitassem opor-se a Rhul, o que exigiu dos khadoranos uma certa tolerância com suas próprias regras. O comércio com Rhul é importante demais para o Império, para arriscar um incidente diplomático. Ao mesmo tempo, os khadoranos não pode permitir o comércio aberto de Rhul com Cygnar, o maior inimigo de Khador.

Os khadoranos proíbem qualquer trânsito civil ao sul de Merywyn, mas eles não interferem ativamente nas caravanas comerciais rhulêsas, que viajam pelo Sul por outros meios. Os rhulêses também passaram a recorrer ao contrabando, para continuar seu comércio, descobrindo que os inspetores khadoranos são menos rigorosos, que seus antecessores llaeleses.

Os conglomerados comerciais rhulêses, como o poderoso Conglomerado Forja Seca, também intensificaram esforços para armar e proteger suas caravanas. As expedições comerciais marcham de Rhul acompanhados por pequenos exércitos de soldados profissionais, todos mercenários oficialmente pagos. Além disso, a Resistência Llaelêsa frequentemente emprega mercenários rhulêses que se juntam em ataques contra guarnições Khadoranas. Esses embates, no entanto, estão em um terreno político mais estável, já que os soldados de Khador podem livremente se engajar e destruir essas forças se grandes consequências.